Home > Calendário da Saúde> Junho > Dia Mundial de Concientização sobre a Doença Falciforme


19/06 - Dia Mundial de Concientização sobre a Doença Falciforme

O dia 19 de junho foi oficialmente designado como o Dia Mundial de Conscientização da Doença Falciforme com o objetivo de aumentar o conhecimento e a compreensão do público sobre a doença e os desafios vivenciados pelos pacientes, seus familiares e cuidadores.

Trata-se de uma doença genética, hereditária e caracterizada por alterações nas hemácias do sangue – os glóbulos vermelhos se tornam rígidos e assumem formato de foice, dificultando a passagem de oxigênio para cérebro, pulmões, rins e outros órgãos.

A enfermidade não tem cura e pode provocar o comprometimento das principais funções do organismo, caso o portador não receba a assistência adequada. Entre as complicações da doença não tratada estão a anemia crônica, crises dolorosas associadas ou não a infecções, retardo do crescimento, infecções e infartos pulmonares, retardo no crescimento acidente vascular cerebral, inflamações e úlceras.

No Brasil, as estimativas apontam que a cada ano surgem cerca de 3 mil novos casos da doença e 180 mil novos portadores do traço, ou seja, pessoas que não apresentam sintomas, mas possuem a Hemoglobina S (traço falciforme). Os três estados do país com maior número de casos são Bahia, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

O diagnóstico é feito na Triagem Neonatal com o Teste do Pezinho e pelo exame de eletroforese de hemoglobina. Essa condição é mais comum em indivíduos da raça negra. No Brasil, representam cerca de 8% dos negros, mas devido à intensa miscigenação historicamente ocorrida no país, pode ser observada também em pessoas de raça branca ou parda.

Quando a detecção da doença falciforme se faz nos testes de triagem neonatal, o diagnóstico possibilita o início de cuidados específicos exigidos por uma enfermidade degenerativa, considerando-se que a precocidade e a integralidade da atenção podem ser determinantes na limitação dos agravos. O diagnóstico tardio é aquele realizado no período pós-neonatal e destinado às pessoas em qualquer faixa etária. Tem sido frequente em adultos já na vida reprodutiva, após a maior visibilidade que a doença alcançou nos últimos anos. Pode ocorrer em diversas situações:

  • na doação de sangue, cuja legislação prevê o rastreamento da Hemoglobina S nos hemocentros e unidades de coleta nos estados e municípios;
  • nos exames solicitados em consultórios particulares e/ou hospitais do setor privado;
  • nos exames solicitados para a gestante no pré-natal.


Fonte: Calendarr